sexta-feira, 30 de novembro de 2012

Brasil mudando para melhor

IBGE/SIS 2012 mostra:
acesso de jovens pretos e pardos à universidade triplicou em dez anos  

A Síntese de Indicadores Sociais (SIS) 2012 mostra melhoria na educação, na década 2001-2011, especialmente na educação infantil (0 a 5 anos), onde o percentual de crianças cresceu de 25,8% para 40,7%. Dentre as mulheres com filhos de 0 a 3 anos de idade na creche, 71,7% estavam ocupadas. Entre os adolescentes de 15 a 17 anos, 83,7% frequentavam a rede de ensino, em 2011, mas apenas 51,6% estavam na série adequada para a idade. Já a proporção de jovens estudantes (18 a 24 anos) que cursavam o nível superior cresceu de 27,0% para 51,3%, entre 2001-2011, sendo que, entre os estudantes pretos ou pardos nessa faixa etária, a proporção cresceu de 10,2% para 35,8%.
A SIS revela que as desigualdades reduziram-se, na década 2001-2011, em razão da valorização do salário mínimo, do crescimento econômico e dos programas de transferência de renda (como Bolsa Família). O índice de Gini (mede a distribuição de renda) passou de 0,559, em 2004, para 0,508, em 2011.
Em relação ao trabalho, entre 2001 e 2011, a Síntese constatou um crescimento da proporção de pessoas de 16 anos ou mais de idade ocupadas em trabalhos formais (de 45,3% para 56,0%), embora se mantivessem na informalidade 44,2 milhões de pessoas, em 2011. O rendimento médio no trabalho principal teve um aumento real de 16,5%, nesse período, sendo que mulheres (22,3%) e trabalhadores informais (21,2%) tiveram os maiores ganhos reais. No entanto, o rendimento das pessoas ocupadas pretas ou pardas equivalia, em 2011, a 60% do rendimento dos brancos. A SIS aponta, também, que em 2011 o tempo médio semanal dedicado pelas mulheres em afazeres domésticos era 2,5 vezes maior do que o dos homens.
Quanto aos indicadores demográficos, em 2011, a taxa de fecundidade era de 1,95 filhos por mulher, variando de acordo com a escolaridade (de 3,07 para mulheres com até 7 anos de estudo, para 1,69, para aquelas com 8 anos ou mais de estudo). Na década, a população idosa de 60 anos ou mais de idade cresceu a uma taxa anual de 3,7%, enquanto a população total cresceu a 1,2% ao ano.
A SIS 2012 inovou, ainda, ao tratar da proteção social e direitos humanos, abordando questões como a violência contra a mulher, entre outras. Verificou-se que, em mais da metade dos 75 mil registros de violência contra a mulher, elas acreditavam que havia risco de morte.
Esses são alguns dos destaques do estudo Síntese de Indicadores Sociais: uma análise das condições de vida da população brasileira 2012, que tem como fonte principal de informações a PNAD 2011, outras pesquisas do IBGE, e que traz avanços na utilização e análise de registros administrativos de órgãos federais. Todas as informações do estudo podem ser obtidas no endereço: http://www.ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/condicaodevida/indicadoresminimos/sinteseindicsociais2012/default.shtm

Em 2011, 51,6% dos adolescentes de 15 a 17 anos frequentavam o ensino médio
A análise dos dados da PNAD 2011 indica um crescimento do sistema educacional brasileiro na última década, especialmente em relação à educação infantil. A taxa de escolarização das crianças de 0 a 5 anos passou de 25,8%, em 2001, para 40,7%, em 2011. A escolarização de crianças de 6 a 14 anos está praticamente universalizada, alcançando 98,2% em 2011.
Os adolescentes de 15 a 17 anos apresentaram uma taxa de escolarização de 83,7%, percentual um pouco maior se comparado a 2001 (81%). Porém, em 2011, apenas 51,6% desses jovens estavam na série adequada, resultado mais favorável ao alcançado em 2001, onde somente 36,9% nesta faixa etária estavam no ensino médio, o que revela ainda uma alta defasagem idade-série. O avanço na taxa de frequência desses jovens ao ensino médio foi ainda mais significativo para aqueles que pertencem às famílias com menores rendimentos (de 13,0%, em 2001, para 36,8%, em 2011) e entre os pretos e pardos (de 24,4% para 45,3%).

Frequência de jovens estudantes pretos e pardos nas universidades triplicou em dez anos
A proporção de jovens estudantes de 18 a 24 anos que cursavam o nível superior cresceu de 27,0%, em 2001, para 51,3%, em 2011. Observou-se uma queda expressiva na proporção dos que ainda estavam no ensino fundamental, passando de 21% em 2001 para 8,1% em 2011. Jovens estudantes pretos e pardos aumentaram a frequência no ensino superior (de 10,2%, em 2001, para 35,8%, em 2011), porém, com um percentual muito aquém da proporção apresentada pelos jovens brancos (de 39,6%, em 2001, para 65,7% em 2011).



Síntese de Indicadores Sociais aponta redução da desigualdade na década 2001-2011
A SIS 2012 detectou uma diminuição da desigualdade na década de 2000, medida por diversos indicadores e aspectos. Verificou-se que o coeficiente de Gini (índice que mede a distribuição da renda, de forma que quanto mais próximo de 1 maior a desigualdade) passou de 0,559, em 2004, para 0,508, em 2011. Entre 2001 e 2011, os 20% mais ricos da população diminuíram sua participação de 63,7% para 57,7%, enquanto os 20% mais pobres aumentaram, passando de 2,6% para 3,5% do total de rendimentos. Nesse período, a razão entre a renda familiar per capita dos 20% mais ricos em relação aos 20% mais pobres caiu de cerca de 24 para 16,5 vezes. Apesar da evolução, a desigualdade persiste, pois os 20% mais ricos ainda detêm quase 60% da renda total, em contrapartida ao pouco mais de 11% detidos pelos 40% mais pobres.
A expansão de programas de transferência de renda, como Bolsa Família, resultou em um aumento no item “outras fontes de rendimento” para famílias com baixos rendimentos. Para famílias com renda familiar per capita de até ¼ de salário mínimo (6,7% das famílias) e entre ¼ e ½ salário mínimo (14,1% das famílias), as outras fontes de renda passam de 5,3% a 31,5% e de 3,1% a 11,5%, respectivamente, entre 2001 e 2011. Isso ocorreu em um cenário de crescimento do rendimento médio do trabalho para esses grupos. Para o grupo de até ¼ de salário mínimo, o rendimento médio de todos os trabalhos cresceu, em valores reais, de R$ 273 para R$ 285, no período, enquanto para os que estão na faixa entre ¼ e ½ salário mínimo, cresceu de R$ 461 para R$ 524. Em relação à cor ou raça, no 1% mais rico, em 2001, pretos ou pardos representavam apenas 9,3%, percentual que passa a 16,3%, em 2011. É, ainda, uma participação distante do total de pretos ou pardos na população, um pouco acima de 50%.
Os domicílios nas faixas de até ½ salário mínimo de rendimento possuem algumas características que podem servir de indicativo de vulnerabilidade: têm média superior a quatro moradores, presença mais significativa de crianças pequenas e muitos deles são chefiados por mulher sem cônjuge, com filhos menores de 14 anos (arranjo familiar predominante em 27,0% dos domicílios com rendimento per capita de até ¼ do salário mínimo).
Formalização no mercado de trabalho cresce entre mulheres e jovens na década
Entre 2001 e 2011, a proporção de pessoas de 16 anos ou mais de idade, ocupadas em trabalhos formais, aumentou de 45,3% para 56,0%. Entre as mulheres, a formalidade cresceu de 43,2% para 54,8%. Entretanto, o país registra, ainda, um contingente significativo de mão de obra em trabalhos informais: 44,2 milhões de pessoas. A informalidade é uma característica da população idosa com 60 anos ou mais (71,7%) e da população jovem de 16 a 24 anos (46,5%).
Ressalta-se, porém, que os jovens de 16 a 24 anos foram os que mais aumentaram o grau de formalização no mercado de trabalho, principalmente entre 2006 e 2011 (de 40,8% para 53,5%). A população mais escolarizada tendia a estar inserida em trabalhos mais formalizados. Em 2011, a média de anos de estudo da população em trabalhos formais era de 9,2 anos para os homens e de 10,7 anos para as mulheres. Nos trabalhos informais, essa média era 6,1 e 7,3 anos, respectivamente.

Rendimento médio do trabalho teve aumento real de 16,5% na década
O rendimento médio no trabalho principal das pessoas de 16 anos ou mais de idade ocupadas teve um aumento real de 16,5%, entre 2001 e 2011. As mulheres e os trabalhadores informais tiveram os maiores ganhos reais (22,3% e 21,2%, respectivamente).
A desigualdade de rendimentos entre homens e mulheres apresentou redução, mas ainda persiste. Em 2001, elas recebiam o equivalente a 69% do rendimento dos homens, passando para 73,3% em 2011. Destaca-se que, entre as pessoas com 12 anos ou mais de estudo, essa desigualdade era maior: em 2011, o rendimento feminino equivalia a 59,2% do rendimento masculino (em 2001, esse percentual era de 52,6%).
A desigualdade por cor ou raça também diminuiu no período. O rendimento médio das pessoas ocupadas pretas ou pardas com 16 anos ou mais de idade equivalia a 60% do rendimento médio da população branca, em 2011. Em 2001, essa proporção era de 50,5%. Assim como observado para as mulheres, essa desigualdade era maior entre as pessoas com 12 anos ou mais de estudo, sendo que, entre 2006 e 2011, essa proporção caiu de 68,6% para 67,2% (em 2001 era 66,7%).

Mulheres gastam 2,5 vezes mais tempo com afazeres domésticos do que homens
A jornada de trabalho semanal dos homens era, em média, 6,3 horas maior que a jornada feminina. Nos trabalhos formais, a jornada dos homens foi 44,0 horas semanais, versus 40,3 horas para as mulheres. Nos trabalhos informais, essa diferença era ainda maior: 9,4 horas, sendo 40,5 horas para os homens e 31,2 horas para as mulheres. Porém, quando se considera o tempo dedicado aos afazeres domésticos, a jornada média semanal das mulheres (de 16 anos ou mais de idade) é 2,5 vezes maior que a dos homens na mesma faixa. Em 2011, as mulheres dedicavam 27,7 horas a afazeres domésticos, enquanto os homens destinavam 11,2 horas. Com isso, a jornada total de trabalho para as mulheres em 2011 era de 58,5 horas por semana e, para os homens, era de 52,7 horas por semana.

71,7% das mães com todos os filhos entre 0 e 3 anos na creche estão ocupadas
Um aspecto que interfere na inserção das mulheres no mercado de trabalho é a presença de filhos. Dentre as mulheres com filhos de 0 a 3 anos de idade que frequentam creche, 71,7% estavam ocupadas. A participação das mulheres no mercado de trabalho é bastante reduzida quando nenhum filho frequentava creche ou algum não frequentava (43,9% e 43,4%, respectivamente). Vale ressaltar que essa relação praticamente não se alterou desde o início da década: em 2001, o percentual era de 70,1% quando todos os filhos estavam na creche, 41,2% quando nenhum filho frequentava creche, e 44,3% quando algum filho frequentava.
Cresceu percentual de pessoas que levam mais de 30 min. para chegar ao trabalho Embora 65,8% da população ocupada levasse até 30 minutos para chegar ao trabalho, houve um aumento no percentual de pessoas que enfrentam um deslocamento superior a 30 minutos, passando de 32,7% em 2001 para 35,2% em 2011 entre os homens, e de 27,9% para 32,6% entre as mulheres. Além dos homens, pretos e pardos demoravam mais no trajeto residência-local de trabalho: 36,6% levavam mais de 30 minutos nesse trajeto, versus 31,8% dos brancos.

42,3% das pessoas que moram sozinhas têm 60 anos ou mais
O número de famílias, em 2011, era de 64,3 milhões, com uma média de 3 pessoas por família. A queda da fecundidade e o envelhecimento da população contribuíram para elevar de 9,2%, em 2001, para 12,4%, em 2011, o percentual de pessoas que viviam sozinhas (arranjos unipessoais), com variação de 8,0% das famílias, no Amazonas, a 17,1%, no Rio de Janeiro. Mais da metade (51,2%) das pessoas que viviam sozinhas eram mulheres e 42,3% eram pessoas de 60 anos ou mais.
Na década 2001-2011, houve redução de 53,3% para 46,3% no percentual de casais com filhos, e aumento dos casais sem filhos (13,8% para 18,5%). A PNAD 2011 mostrou, também, uma ligeira redução (17,8% para 16,4%) nas famílias formadas por mulher sem cônjuge com filhos (monoparentais femininas).
Entre 2001 e 2011, houve um aumento de 18,8% para 21,7% na proporção de casais sem filhos, em que a mulher nunca teve filhos nascidos vivos e ambos os cônjuges tinham rendimento - conhecidos como DINC (Double Income and No Children) -, com o seguinte perfil: 42% das pessoas responsáveis por essas famílias tinham entre 24 e 34 anos de idade e o rendimento médio domiciliar per capita era em torno de 3,2 salários mínimos. No Sudeste, representavam 25% dos casais sem filhos.

Quase metade das famílias que dividem o domicílio alegam motivo financeiro
Em 2011, 95,6% dos domicílios eram ocupados por apenas um núcleo familiar, enquanto 4,4% por dois ou mais núcleos, sendo esse percentual maior nas regiões Norte (7,4%) e Nordeste (5,5%) e menor no Sudeste (3,2%). Em quase metade dos domicílios, o motivo para a convivência no mesmo domicílio foi “financeiro” (49,2%), seguido por “vontade própria” (41,2%). Em alguns estados, como Acre (56,6%), Tocantins (51,9%), Santa Catarina (45,9%) e Mato Grosso (60,2%), o motivo “vontade própria” era maior que o “financeiro”.
Entre 2001 e 2011, houve aumento da proporção de mulheres responsáveis pelas famílias de casal sem filhos (de 4,5% para 18,3%) e nas de casais com filhos (de 3,4% para 18,4%). No caso da responsabilidade masculina, a proporção de casais nos quais a mulher cônjuge tinha rendimento igual ou superior ao do chefe homem era de apenas 25,5%, enquanto no caso do homem ser o cônjuge na chefia feminina, o percentual era 77,5%.

No Piauí, apenas 7,7% dos domicílios tinham esgotamento sanitário adequado
Em 2011, 69,4% dos domicílios urbanos brasileiros declararam ter acesso simultâneo aos serviços de saneamento (abastecimento de água por rede geral, esgotamento sanitário por rede geral e coleta direta do lixo), frente a 67,1% em 2001. Para os domicílios urbanos com rendimento médio de até ½ salário mínimo per capita, 50,1% tinham saneamento adequado, em 2011, frente a 42,3%, em 2001.
No conjunto do país, dos 30,6% domicílios urbanos que não tinham acesso aos quatro componentes simultaneamente, 93,0% revelaram ausência de esgotamento sanitário. No Amapá, que apresentava o maior percentual de domicílios sem acesso simultâneo aos serviços (95,9%), 44,7% deles não tinham abastecimento de água, em 96,8% destes não havia esgotamento sanitário adequado e 2,6% não tinham acesso ao serviço de coleta de lixo. No Piauí, entre 92,3% dos domicílios sem saneamento adequado, o esgotamento sanitário estava ausente em 99,4% destes domicílios.
Em 2011, para os 52,8 milhões de domicílios urbanos, verificou-se que 31% contavam com acesso simultâneo a energia elétrica, TV em cores, DVD, maquina de lavar, computador e acesso à internet. Entre os domicílios sem acesso simultâneo aos itens acima, os que não tinham computador e acesso à Internet eram 84,9%. Para os 9 milhões de domicílios urbanos com renda domiciliar per capita de até ½ salário mínimo, o acesso a esses bens e serviços era mais restrito: apenas 7,3% tinham acesso simultaneamente à energia elétrica, TV em cores, DVD, maquina de lavar, computador e à Internet. Para esses domicílios, a ausência de computador e acesso Internet chegava a 92,2%.

4,8 milhões de crianças moram em domicílios sem saneamento básico
Nos indicadores de saúde, vê-se que, em 2011, 48,5% das crianças com até 14 anos de idade (21,9 milhões) residiam em domicílios sem saneamento adequado (ou não havia abastecimento de água por meio de rede geral, ou o esgotamento sanitário não se dava via rede geral ou fossa séptica ligada à rede coletora, ou o lixo não era coletado). Cerca de 4,8 milhões de crianças (10,7%) estavam seriamente expostas a riscos de doenças, pois moravam em domicílios onde os três serviços eram inadequados: 17,2% no Nordeste e 3,7% no Sudeste.
Segundo dados do Ministério da Saúde, as causas externas eram a principal causa de morte da população com menos de 30 anos de idade: nos grupos entre 10 e 19 anos e entre 20 e 29 anos, foram responsáveis por cerca de 70,0% dos óbitos registrados em 2009.

Índice de envelhecimento no Brasil cresce de 31,7, em 2001, para 51,8 em 2011
A razão de sexo – número de pessoas do sexo masculino para cada 100 pessoas do sexo feminino – no Brasil foi de 94,3 (103,8 no grupo de 0 a 19 anos e 79,5 na faixa dos 60 anos ou mais). Quanto à razão de dependência total – número de pessoas economicamente dependentes (menores de 15 anos ou com 60 anos ou mais) para cada 100 pessoas potencialmente ativas (entre 15 e 59 anos) –, diminuiu de 60,3 (2001) para 54,6 (2011). O índice de envelhecimento (relação entre idosos de 60 anos ou mais e crianças de até 15 anos) no Brasil cresceu de 31,7, em 2001, para 51,8, em 2011, aproximando-se bastante do indicador mundial (48,2). No Brasil, merece destaque a Região Metropolitana do Rio de Janeiro, em que este indicador foi de 80,2. Em dez anos, o número de idosos com 60 anos ou mais passou de 15,5 milhões (2001) para 23,5 milhões de pessoas (2011). A participação relativa deste grupo na estrutura etária populacional aumentou de 9,0% para 12,1%, no período, enquanto a de idosos com 80 anos ou mais chegava a 1,7% da população, em 2011.
A maior parte da população idosa é composta por mulheres (55,7%). Outras características marcantes: forte presença em áreas urbanas (84,1%); maioria branca (55,0%); inserção no domicílio como a pessoa de referência (63,7%); 4,4 anos de estudo em média (32% com menos de um ano de estudo); a grande maioria (76,8%) recebe algum benefício da Previdência Social; 48,1% têm rendimento de todas as fontes igual ou superior a um salário mínimo, enquanto cerca de um em cada quatro idosos residia em domicílios com rendimento mensal per capita inferior a um salário mínimo.
Perto de 3,4 milhões de idosos de 60 anos ou mais (14,4%) viviam sozinhos; 30,7% viviam com os filhos (todos com mais de 25 anos de idade, com ou sem presença de outro parente ou agregado). Assim, 85,6% dos idosos viviam em arranjos em que havia presença de outra pessoa com alguma relação de parentesco.
Na distribuição do rendimento mensal familiar per capita, os idosos tinham uma situação relativamente melhor do que o grupo de crianças, adolescentes e jovens: enquanto 53,6% das pessoas de menos de 25 anos estavam nos dois primeiros quintos da distribuição de renda, apenas 17,9% idosos de 60 anos ou mais de idade encontravam-se nesta situação.
Fecundidade é maior quanto menor é a escolaridade da mulher
A taxa de fecundidade total (número médio de filhos nascidos vivos que uma mulher teria ao fim de seu período reprodutivo) encontra-se em processo de redução bastante acentuado, ficando, em 2011, em 1,95 filho por mulher, sendo inferior, inclusive, ao nível de reposição da população (2,1 filhos por mulher). A taxa entre as mulheres brancas era de 1,63 filhos por mulher, enquanto, entre as pretas ou pardas, era de 2,15.
As mulheres com menor nível de escolaridade – até 7 anos de estudo - apresentaram taxa de fecundidade total de 3,07 filhos, enquanto, para aquelas com 8 anos ou mais de estudo a taxa foi substancialmente mais baixa, de 1,69 filho por mulher. Na região Norte, a fecundidade de mulheres com até 7 anos de estudo (3,97 filhos) era praticamente o dobro daquela verificada para mulheres com 8 anos ou mais de estudo (2,01 filhos por mulher), em 2011.

Em 2/3 dos casos de violência contra a mulher, os filhos presenciaram as agressões
A SIS 2012 tratou, pela primeira vez, da proteção social e direitos humanos, abordando questões como a violência contra a mulher, a representatividade feminina nas instâncias políticas, condições precárias de trabalho, entre outras, com dados de diversos órgãos do Governo Federal, além das pesquisas do IBGE.
Em 2011, a Central de Atendimento à Mulher (Ligue 180), da Secretaria de Políticas para as Mulheres - SPM, registrou 75 mil relatos de violência contra a mulher. Destes, cerca de 60% foram de violência física, 24% violência psicológica e 11% de violência moral. Na maioria dos casos, o agressor era o companheiro(a), cônjuge ou namorado(a) (74,6%); a mulher relacionava-se com o agressor há 10 anos ou mais (40,6%); a violência ocorria desde o início da relação (38,9%) e sua frequência era diária (58,6%). Em 52,9% dos casos, as mulheres percebiam risco de morte (e, em 2/3 das situações, os filhos presenciavam a violência (66,1%).

Mulheres ainda são sub-representadas nas instâncias políticas brasileiras
O Brasil ocupa, em 2012, a 116ª posição na classificação mundial sobre a participação política das mulheres nos Parlamentos, em um ranking de 143 países, de acordo com a União Interparlamentar. Ruanda, Andorra, Cuba, Suécia, Seychelles, Finlândia, África do Sul, Países Baixos e Nicarágua possuem as maiores proporções, em participações, que variam entre 56,3% e 40,2%. No Brasil, é inferior a 9%.
O Brasil elegeu, em 2010, sua primeira Presidenta da República e passou a integrar o grupo de 15 países nos quais uma mulher era chefe de Estado ou de Governo. Mas isso pouco contribuiu para o aumento da participação feminina no legislativo. Em 2006, foram 45 deputadas federais (8,8%) eleitas entre 628 candidatas. Em 2010, o total de mulheres eleitas para Câmara permaneceu 45, mesmo com o aumento de mais de 300 candidatas para o cargo. O Senado Federal é a instância na qual a participação feminina é mais efetiva: as mulheres detêm 14,8% das cadeiras, igual à proporção de 2006.

MTE encontrou 2,6 mil trabalhadores em condição análoga à de escravo em 2010
Não há informações estatísticas sobre trabalho forçado no Brasil, mas uma aproximação pode ser obtida a partir de dados do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE). Em 2010, foram 143 operações em todo Brasil, em 309 estabelecimentos, nas quais 2.628 trabalhadores foram encontrados em situação análoga à de escravos (trabalho forçado, servidão por dívida, jornada exaustiva e/ou trabalho degradante). São os chamados trabalhadores resgatados. Além disso, 2.745 trabalhadores tiveram seus contratos de trabalho formalizados no curso da ação fiscal e passaram a ter carteira de trabalho assinada após as operações de fiscalização. O maior número de operações se deu no Pará, onde mais de 500 trabalhadores foram resgatados. Em Minas Gerais, embora o número de operações tenha sido quase a metade das ocorridas no Pará, o número de resgatados foi bem próximo (511), seguido de Goiás e Santa Catarina, respectivamente, com 343 e 253 trabalhadores resgatados.

Comunicação Social
28 de novembro de 2012

sábado, 26 de maio de 2012

A roubada de Veja nas eleições goianas

Delegado revela em CPI que diretor da Veja sabia sobre ligação de Cachoeira e Demóstenes

Do: Jornal da Record
(publicado originalmente em 11maio2012)


O depoimento do delegado da Polícia Federal, Matheus Mela Rodrigues, à CPI foi um dos mais importantes até o momento. A revista Carta Capital publicada nesta sexta-feira mostra que o delegado falou sobre a relação de Cachoeira com a imprensa. Rodrigues afirmou que o diretor da revista Veja em Brasília, Policarpo Junior, sabia das ligações entre o contraventor e o senador Demóstenes Torres. Mesmo assim, a Veja exibia o parlamentar como uma referência ética no Senado. A Carta Capital destaca ainda o fato de Policarpo ser o único jornalista da grande imprensa que aparece sistematicamente nas gravações.

quinta-feira, 24 de maio de 2012

Veja e Gurgel: estelionato contra os goianos?

Revista Veja e casal Gurgel levam o Crime Organizado ao comando político de Goiás

Goianos em passeata: Fora Perillo e Demóstenes!!!

14 de Abril de 2012. Praça Cívica de Goiânia - GO

Em Goiás há uma pergunta no ar: “O que aconteceria se, em 15 de setembro de 2009, o Procurador Geral da República, Roberto Gurgel, e sua esposa, a procuradora Claudia Sampaio, tivessem pedido a autorização do Supremo Tribunal Federal (STF) para investigar o senador Demóstenes Torres (DEM-GO) e os deputados federais Carlos Alberto Silva (PSDB-GO) e Sandes Júnior (PP-GO)?”.
Em depoimento à CPMI, o delegado responsável pela Operação Vegas, Raul Souza, disse que entreguou no dia 15 de setembro de 2009, ao Procurador Gerald a República, Roberto Gurgel, inquérito que mostrava as relações do senador Demóstenes Torres (DEM) e dos deputados Sandes Júnior (PP) e Carlos Lereia (PSDB), com o esquema do bicheiro Cachoeira. Um més depois em outubro de 2009, recebeu um telefonema da esposa de Gurgel, a subprocuradora-geral Cláudia Marques, pedindo que fosse à sede da PRG. Na conversa a procuradora informou que não detectara indícios suficientes para denunciar Demóstenes e os deputados ao STF . 
Ao engavetar o inquérito da Operação Las Vegas, Gurgel e sua cônjuge interferiram diretamente no destino de quase seis milhões de goianos.

Santos com pés de barro
Demóstenes Torres reelegeu-se vendendo a imagem de paladino da moralidade tão bem construída com ajuda da revista Veja, em matérias como: “Os mosqueteiros da ética” (Edição 2015 de 04 de julho de 2007):

(Sic)"…o outro é o incansável senador Demostenes Torres, do DEM de Goiás. No Conselho de, digamos assim, Ética do Senado, ele é uma das únicas vozes a exigir investigações sérias e denunciar as manobras para absolver sem apurar"
Carlos Alberto Silva, o Leréia era o porta-voz da candidatura do senador tucano Marconi Perillo ao governo de Goiás em 2010. Seu alvo principal, o governo de Alcides Rodrigues (PP), que governou Goiás de abril de 2006 a dezembro de 2010. Leréia passou de aliado a detrator de Alcides quando este assinou em 14 de janeiro de 2008 o decreto extinguindo a Superintendência de Loterias da Agência Goiana de Administração Pública (Aganp). A superintendência era responsável por coibir o jogo ilegal (leia-se caça-níqueis), mas a prática era outra.
O Superintendente da Loteria , indicado por Carlos Leréia era o Procurador Marcelo Siqueira, o mesmo que demitiu-se do governo de Marconi Perillo em abril do cargo de Procurador-Chefe Administrativo da Procuradoria-Geral do Estado. Siqueira é citado como um dos beneficiários da quadrilha de Cachoeira em relatório do delegado da PF Deuselino Valadares, em 2006, antes do policial ser cooptado pelo grupo.

Votos de Demóstenes e dinheiro de Cachoeira na eleição de Marconi

Demóstenes Torres reelegeu-se com mais votos ao Senado do que Marconi Perillo elegeu-se pela terceira vez ao governo de Goiás. Na contagem do primero turno, o senador do DEM teve 2.158.812 votos, contra 1.400.227 votos do governador tucano. Na soma dos votos, os adversários de Marconi ficaram à frente: Iris Rezende (PMDB) teve 1.099.552 votos e Vanderlan Cardoso (PR), 502.462 votos. No segundo turno, Marconi venceria por pequena margem: 1.551.132 votos contra 1.376.188 dados ao peemedebista, ou seja, 174.944 votos a mais. Demóstenes teve no primeiro turno 758.585 votos a mais que Marconi e é por isto que era voz corrente em Goiás que “Demóstenes carregou Marconi no segundo-turno”. Sem o “Varão de Plutarco de Veja” Perillo não venceria a oposição.
As Operação Monte Carlo revelaria que não foi só com votos a ajuda de Demóstenes Torres e seu grupo. As empresas-fantasmas de Carlos Cachoeira doaram recursos substanciais à campanha de Marconi Perillo. A Alberto e Pantoja, repassou R$ 800 mil à Rio Vermelho Distribuidora de Anápolis, recursos estes que chegariam ao tucano, conforme registra o portal G1, da Globo:
"Registros do Tribunal Superior Eleitoral mostram que um mês depois das eleições, a distribuidora depositou R$ 450 mil na conta eleitoral de Perillo. A partir da quebra de sigilo bancário, a Polícia Federal também apurou que três meses depois, a Rio Vermelho recebeu R$ 60 mil da Alberto e Pantoja". (Link: http://migre.me/9aJYX)
Outro doador de Demóstenes e sócio de Carlos Cachoeira, também doou para campanha de Marconi Perillo. Matéria do Jornal do Brasil mostra que Marcelo Limirio, ex-dono do Laboratório NeoQuimica e sócio do grupo Hypermarcas, está entre os doadores do tucano:
"A ligação entre o empresário Marcelo Limírio com o senador Demóstenes Torres (sem partido) e o contraventor Carlinhos Cachoeira fica cada vez mais evidente. Além de uma possível influência na venda do Hotel Nacional, como noticiou o Jornal do Brasil na última segunda-feira (16/04), Limírio fez doações para as campanhas de Demóstenes e para o governador Marconi Perillo (PSDB-GO). Escutas da Polícia Federal indicam que Perillo mantinha relações com Carlinhos Cachoeira, assim como outros políticos de Goiás.
Diretamente, Limírio doou R$ 200 mil para a campanha de Demóstenes Torres. (sic) A Hypermarcas ainda doou R$ 500 mil para a campanha de Demóstenes, R$ 500 mil diretamente para Marconi Perillo e R$ 1 milhão para o PSDB de Goiás em 2010, quando o tucano venceu a disputa pelo governo do estado.
Assim que foi eleito, Marconi Perillo nomeou o deputado federal Armando Vergílio (PSD-GO) para assumir a Secretaria das Cidades. Vergílio liderava a Superintendência de Seguros Privados (Susep) quando o órgão leiloou o Hotel Nacional para Marcelo Limírio"
. (Link: http://migre.me/9aKj0)
O JB não citou, mas Marconi também nomeou o genro de Limírio, Alexandre Baldy para Secretaria de Indústria e Comércio do Estado de Goiás.


Al Capone do Cerrado
A Carta Capital desta semana, em matéria assinada por Cynara Menezes, detalha, com riqueza de informações, a lista de crimes de Cachoeira, dos quais Gurgel, sua cônjuge e Veja desviaram o olhar:
"Os crimes de Ramos, mais conhecido como Carlinhos Cachoeira, listados pela CPI são de assustar: sequestro, cárcere privado, prostituição, jogatina, sonegação fiscal, evasão de divisas, tráfico de influência, corrupção ativa, formação de quadrilha, suborno".
Vale a pergunta que Cynara Menezes faz diretamente à Veja: "Para fazer denúncias sobre o governo, os jornalistas que tinham Cachoeira como fonte encobriram ou não um meliante maior? As denúncias obtidas por meio do esquema do contraventor à base de grampos e gravações clandestinas eram mesmo mais sgnificativas que os crimes que ele próprio praticava?"
Ainda estão por serem respondidas as motivações do casal Gurgel para o engavetamento da Operação Monte Carlo. Quanto a opção editoral da revista Veja, as investigações demonstram que ela preferiu não seguir o conceito do jornalista norte-americano Joseph Pulitzer (1847-1911), que acreditava que o jornalismo era um serviço público destinado às pessoas “pequenas” e não um serviço destinado aos interesses do grande poder. Um serviço que deveria estar ao lado das pessoas, um porta-voz da democracia.

quarta-feira, 23 de maio de 2012

Ela doou mais de R$ 8 milhões ao PSDB

A generosidade suspeita de um casal com milionárias relações eleitorais e governamentais demotucanas
Ele contribuiu com vários milhões para o Mensalão do DEM
José Celso Valadares Gontijo, dono da Via Engenharia, um dos mais poderosos empresários do Distrito Federal, no vídeo abaixo entrega pacotes de dinheiro vivo a Durval Barbosa, então secretário de Relações Institucionais do governo José Roberto Arruda. Durval entregou à Polícia Federal (Operação Caixa de Pandora) mais de 130 vídeos que gravou desde o governo Joaquim Roriz ao qual serviu como presidente da Codeplan (Companhia de Planejamento do Distrito Federal).
Ela contribuiu com vários milhões para a Campanha do Serra
clique na imagem para aumentá-la Clique aqui e confirme no sítio do TSE
(informe o nome da doadora no formulário)
Ana Maria Baeta Valadares Gontijo doou R$ 8.250.000,00 para a campanha tucana de 2010, como PESSOA FÍSICA, por meio de sete transferências eletrônicas à Direção Nacional do PSDB realizadas entre agosto e novembro de 2010.
Foi a maior contribuição de uma pessoa física naquela campanha, sendo que a última, de R$350.000,00 mil, foi informada ao Tribunal Superior Eleitoral (TSE) com data de 26 de novembro, quando a eleição já tinha terminado. A direção tucana declarou ao TSE ter arrecadado R$ 100.000.000,00 em 2010.
É o recorde entre as pessoas físicas.
A lei diz que as pessoas físicas podem doar no máximo 10% de seu rendimento bruto no ano anterior. Significa que Ana Maria  precisa ter ganho cerca de R$ 7.000.000,00 por mês de salário ou renda em 2009 (pelo menos R$ 82.500.000,00 de renda anual).

Ana Maria Baeta Valadares Gontijo e José Celso Valadares Gontijo, nos salões da alta sociedade brasiliense.

O relatório da CPI sobre o mensalão do DEM, feita na Câmara Legislativa do Distrito Federal, dedica um tópico inteiro a José Celso Valadares Gontijo. A íntegra deste tópico pode ser lida nas quatro páginas de um arquivo em PDF clicando aqui.
Chama atenção a parte deste relatório que trata de uma de suas empresas, de telemarketing:
A denúncia sobre o mensalão do DEM veio à tona em dezembro de 2009, com ampla divulgação de vídeos mostrando as transações clandestinas na internet e na mídia. Tratava-se de um esquema de pagamento de propina a políticos do Distrito Federal coordenado pelo governador José Roberto Arruda, do Partido Democratas (DEM), que foi afastado do cargo, preso e finalmente cassado em março de 2010. Segundo jornais da época, com base em informações do Conselho de Controle de Atividades Financeiras (Coaf) ligado ao Ministério da Fazenda, o mensalão do DEM movimentou cerca de R$2.700.000.000,00 (dois bilhões e setecentos milhões de reais).
Relações perigosas
O vídeo acima foi gravado por Durval Barbosa, ex-secretário de Relações Institucionais do Distrito Federal, como parte de sua "delação premiada" com autorização da Justiça Federal. Segundo Durval, o dinheiro que o empresário Alcyr Collaço aparece guardando na cueca refere-se a um contrato realizado entre o Governo do Distrito Federal e a Call Tecnologia e Serviços Ltda., empresa de José Celso Gontijo, dono de outras empresas como a Construtora JC Gontijo, que também mantém outros contratos com o governo do Distrito Federal. Esse dinheiro vai ser distribuído entre os beneficiários do "Mensalão do DEM".
Arruda ia ser o vice de Serra, que disse: “Se eu definisse algo no plano nacional e ele viesse junto, o lema seria 'vote num careca e leve dois'”.
Meses antes do mensalão do DEM vir a público, a NaMariaNews já mostrava que a mesma empresa Call Tecnologia e Serviços Ltda. conquistou um contrato milionário com a Prefeitura de São Paulo, em abril de 2006 (no apagar das luzes da gestão tucana de José Serra antes de passar a faixa ao vice Gilberto Kassab).
A Uni-Repro Serviços Tecnológicos e a Call Tecnologia foram duas empresas de serviços de atendimento telefônico, xerox e outros do gênero, que superfaturavam absurdamente seus preços e depois redistribuiam dinheiro aos participantes do esquema do Mensalão do DEM em Brasília. As duas empresas também mantiveram contratos milionários com a Prefeitura e o Estado de São Paulo nas administrações Serra&Kassab.
Por exemplo, segundo o jornal O Estado de São Paulo, entre 2006 e 2009, a Prefeitura de São Paulo pagou R$ 106,9 milhões às duas empresas, por “serviços prestados”.
Em abril de 2009, a Call Tecnologia e Serviços Ltda. conquistou outro contrato, desta vez com o governo estadual de São Paulo, mas o governador era o mesmo José Serra, que era prefeito em 2006, e o mesmo que foi candidato a presidente em 2010 pelo partido que recebeu os R$ 8,25 milhões da mulher do dono da Call Tecnologia e Serviços Ltda.
Não é preciso fazer ilações para o leitor perceber o mau cheiro que exala desse sistema de financiamento privado de campanha, e porque seus defensores são a mesma turma da privataria tucana: José Serra, FHC, Aécio Neves, Álvaro Dias, José Roberto Arruda, etc.
Lançando uma luz mais atualizada nessa obscura participação do conhecido empresário brasiliense na vida política demotucana nacional, vamos encontrá-lo em uma gravação realizada pela Polícia Federal com autorização judicial, onde ele ou sua empresa que tem o seu nome, é citada como parceira num negócio com a organização criminosa de Carlinhos Cachoeira, enraizada na política institucional de Goiás, juntamente com seus sócios (ex-)ocultos Demóstenes Torres e Marconi Perillo, entre outros.
Se a "CPMI do Cachoeira" averiguar esse "negócio" e seguir o rastro do dinheiro, aonde será que vai dar?


quarta-feira, 16 de maio de 2012

cachoeira









     










-- E aí, meu caro, sentou em cima do processo desde 2009?
-- É, o Demóstenes é meu amigo, veja aí embaixo. Além do mais eu não queria atrapalhar as eleições de 2010: Demóstenes Senador, Perillo Governador e Leréia Deputado.
Goiás quer mais! Veja:
foram 2.158.812 votos para o Demóstenes. Para o Perillo foram 1.400.227 no primeiro turno e 1.551.132 no segundo. O povo goiano adora esses dois, eu não quero atrapalhar. É preciso respeitar a vontade do eleitor.
-- Mas agora eles podem ser cassados.
-- Sim, eles podem. Continuaremos a fazer o possível. Mas se forem cassados o esquema continua, o suplente de senador e o vice-governador assumem e as águas continuarão a rolar.
O povo goiano quer mais! E ele merece muito mais!


sábado, 12 de maio de 2012

A patrana do grampo sem áudio


Delegado Paulo Lacerda espera pedido de desculpas de Gilmar Mendes e Demóstenes (e também de Veja, Policarpo e Cachoeira)

Por Bob Fernandes
Publicado originalmente na Terra Magazine em 07maio2012

O delegado Paulo Lacerda, que por seis anos e meio dirigiu a Polícia Federal e a Abin durante os governos Lula, aguarda um pedido de desculpas. Ele espera (talvez sentado) que Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) e o senador Demóstenes Torres reconheçam as respectivas responsabilidades pelos seus dois anos e meio de exílio.

Início da tarde de 9 de setembro de 2008. A sessão vai começar em instantes. O delegado Paulo Lacerda, diretor da Abin, está na ante-sala da Comissão Mista das Atividades de Inteligência do Congresso Nacional. Uma dezena de parlamentares na sala. Sorrateiro, quase sem ser notado, o senador Demóstenes Torres (DEM-GO), ex-secretário de Segurança Pública de Goiás, aproxima-se de Paulo Lacerda e diz:
− Eu o conheço. Sei que o senhor é um homem sério e, com certeza, não está envolvido com estes fatos, com grampos. Estou aqui pessoalmente para lhe prestar minha solidariedade e demonstrar o meu apreço…

Exatos dois meses antes, a Polícia Federal havia prendido o banqueiro Daniel Dantas na Operação Satiagraha, comandada pelo delegado Protógenes Queiroz, hoje deputado federal do PCdoB (SP).

No rastro da operação, e tornados personagens de reportagem da Revista Veja de 3 de setembro, o senador Demóstenes Torres e Gilmar Mendes, ministro do Supremo Tribunal Federal (STF), denunciaram: tinham sido grampeados pela Agência Brasileira de Inteligência, a Abin, dirigida por Paulo Lacerda.

O juiz Mendes, em companhia de outros ministros do STF, fora ao Palácio do Planalto "chamar o presidente Lula às falas". Paulo Lacerda seria temporariamente suspenso de suas funções; depois, sob intensa pressão política, seguiu para o exílio. Por quase dois anos e meio, com a família junto, Paulo Lacerda foi Adido Policial na embaixada do Brasil em Portugal.

Nessa tarde de 9 de setembro de 2008, Lacerda ouve, perplexo, a manifestação de solidariedade sussurrada por Demóstenes, justamente um dos homens que o acusam de ter comandado grampos durante a Satiagraha. Acusam-no de ter ordenado, ou permitido, escuta ilegal contra um senador da República e um ministro do Supremo Tribunal Federal.

Recuperado da surpresa, percebendo a pressa de Demóstenes, prestes a deixar a sala, Paulo Lacerda responde ao senador:
− Que bom que o senhor pensa assim, que vê as coisas desse modo. A sessão já vai começar e aí o senhor terá a oportunidade de dizer isso, de dizer a verdade, e esclarecer as coisas…

− Tenho um compromisso, vou dar uma saidinha, mas voltarei a tempo – promete o senador Demóstenes Torres.

A sessão arrastou-se por horas. O senador Demóstenes, o acusador, não voltou.

Naquela tarde, o delegado Lacerda foi duramente questionado. E acusado de ter montado um esquema de grampos ilegais na Abin. Em vão, ele repetia:
− Não comandei, não participei, não compactuei, nem tomei conhecimento de qualquer ilegalidade no procedimento da Abin…

Naquele dia, a estrela da comissão foi o senador Arthur Virgílio (PSDB-AM). Às 16h53, Virgílio perguntou a Paulo Lacerda se o ministro da Defesa, Nelson Jobim, tinha mentido ao dizer que a Abin possuía "equipamento de escutas". Lacerda pediu ao senador para "fazer a pergunta a Jobim".

Levemente exaltado, com um tom avermelhado na pele, o político amazonense bradou: disse não ser um "preso", nem estar "pendurado" num pau-de-arara. E que Paulo Lacerda não estava "numa delegacia" e, sim, numa sessão do Congresso. Como acusado.

Fim da sessão. O senador Arthur Virgílio se aproxima de Paulo Lacerda e discorre sobre o que é a política:
− O senhor entende… eu sou da oposição, temos que ser duros…

Paulo Lacerda é o delegado que comandou a prisão de PC Farias e a investigação do chamado "Caso Collor", quando mais de 400 empresas e 100 grandes empresários foram indiciados num inquérito de 100 mil páginas. Tudo, claro, dormitou nas gavetas do Judiciário, ninguém acompanhou nada e tudo prescreveu.

Anos depois, no governo Lula e com o Ministério da Justiça sob direção de Márcio Thomaz Bastos, por quase cinco anos Paulo Lacerda dirigiu – e refundou – a Polícia Federal. A PF teve, então, orçamento que jamais teve ou voltaria a ter.

Mais de 5 mil operações foram realizadas, centenas de criminosos de "colarinho branco" foram presos, o PCC foi atacado em seu coração financeiro. Na Satiagraha, a PF, já sob direção de Luis Fernando Correa, dividiu-se. Uma banda trabalhou para prender Daniel Dantas e os seus. Outra banda trabalhou contra a Operação; com a estreita colaboração, digamos assim, de jornalistas e colunistas que seguem por aí.

Paulo Lacerda, no comando da Abin, foi acusado por um grampo que nunca ninguém ouviu, que, pelo até hoje conhecido, nunca existiu. Demóstenes e Gilmar Mendes, por exemplo, nunca ouviram o suposto grampo; souberam por uma transcrição.

De resto, aquele teria sido um grampo inédito na história da espionagem. Não flagrou nenhum conversa imprópria. Um grampo a favor.

A Polícia Federal, ao investigar o caso, não encontrou vestígio algum de grampo feito pela Abin. Mas, claro, a notícia de inexistência do grampo saiu em poucas linhas, escondida, aqui e ali.

Quase quatro anos depois, caiu a máscara de Demóstenes Torres, o homem de muitas faces. Uma delas abrigava em seu gabinete uma enteada do amigo, o ministro Gilmar Mendes.

Paulo Lacerda voltou do exílio. Toca sua vida. E aguarda que Demóstenes Torres e Gilmar Mendes, entre tantos outros, lhe peçam desculpas.


segunda-feira, 7 de maio de 2012

Negócios criminosos de Veja e Cachoeira

Documentos da PF mostram que Veja atendia a interesses de Cachoeira

Do: R7 - Rede Record em 06 de maio de 2012

Escutas telefônicas gravadas com autorização da Justiça revelaram uma ligação sombria entre o chefe de um esquema milionário de jogos ilegais, Carlinhos Cachoeira, e a revista Veja, a maior semanal do Brasil.
As conversas mostram uma relação próxima entre o contraventor e Policarpo Júnior, diretor da revista em Brasília (DF).
Segundo documentos da Polícia Federal, Cachoeira teria passado informações que resultaram em pelo menos cinco capas da Veja, além de outras reportagens em páginas internas, publicadas de acordo com interesses do bicheiro e de comparsas.
Trata-se de uma troca de favores, que rendeu muitos frutos a Carlinhos Cachoeira e envolveu a construtora Delta.
O escândalo pode levar Roberto Civita, presidente da empresa que publica a Veja e um dos maiores barões da imprensa do País, a ser investigado e convocado para depor na CPI.
Confira no vídeo a seguir.




sexta-feira, 4 de maio de 2012

Líbia: quem celebra o quê?


Festejos da Vitória?

Assista ao vídeo:
Por: Rolando Segura
Do: rolando segura blog, em 17fev2012


O auto-proclamado governo da Líbia, o Conselho Nacional de Transição (CNT), enfeita por estes dias as ruas e avenidas com a bandeira tricolor da monarquia – com uma meia-lua e uma estrela – desempoeirada faz exatamente um ano por aqueles que estavam apostando em derrubar Qaddafi.
Eles tentam manter os chamados “Festejos da Vitória” no primeiro aniversário do início do que o eco midiático insiste em chamar de "Revolução", "Levante" ou "Rebelião" da "Primavera Árabe Líbia".
Mas o historiador e especialista em terrorismo dos EUA, Dr. Webster Griffin Tarpley, insiste em denominar de outro modo os dramáticos fatos que desencadearam em uma mudança de regime no país norteafricano, logo após a captura, tortura, sodomização e assassinato de Muammar Qaddafi em Sirte, em 20 de outubro de 2011.
Tarpley assegura que se tratou de um "golpe de estado militar, planejado com suficiente antecedência e cujos ingredientes salpicam a França, a Inglaterra, os EEUU e seu aliado Al Qaeda".
Poucos meses atrás, em Tripoli, em meio ao bombardeio da OTAN, tal qual outros pesquisadores como o francês Thierry Meyssan (da Rede Voltaire) e o belga Michel Collon, Tarpley me fazia essas declarações para argumentar que o que aconteceu na Líbia não respondia a um movimento espontâneo de toda a população, como na Tunísia ou Egito. Tratava-se de toda uma operação perfeitamente pensada pelos serviços secretos ocidentais.
De acordo com Tarpley, "existe um acordo secreto de 2 de novembro de 2010 assinado entre os franceses e os britânicos, no qual os dois países decidiram em conjunto que atacariam a Líbia. A operação foi batizada com o pseudônimo de 'Mistral do Sul', que significa 'Ventos do Mediterrâneo'."
Diversas reportagens de imprensa dão conta de que forças especiais da OTAN já estavam no leste da Líbia em meados de fevereiro, justamente quando começaram as primeiras manifestações da oposição. "Franceses, britânicos e norteamericanos", recorda o historiador e especialista em terrorismo dos Estados Unidos.
Tudo parece indicar que o roteiro aplicado na Líbia encontrou terreno fértil nas contradições internas do país como o desenvolvimento desigual entre suas regiões, a corrupção generalizada, o incremento do desemprego e as aspirações insatisfeitas de democracia e respeito aos direitos humanos.
Foi assim que no início de fevereiro Thierry Meysan também me assegurou: "havia manifestações todas as semanas em Benghazi, dessas pessoas que livremente exigiam justiça pelos mortos em uma rebelião numa prisão, onde muitas pessoas foram mortas na tentativa de sufocar o motim.
Mas "em 17 de fevereiro", acrescentou o pesquisador da Rede Voltaire, "no decurso dessas manifestações intervieram elementos armados disparando desde um lugar desconhecido. Ainda não sabemos como tudo isso se passou, inclusive houve mortos na manifestação. A OTAN disse que foi o governo que ordenou disparar contra os manifestantes e o governo disse que não foi assim".
Imediatamente armas apareceram em todos os lugares. De repente também proliferaram pessoas com sotaque muito diferente do árabe falado na Líbia. Várias fontes asseguram que os combatentes da Al Qaeda chegaram desde o Afeganistão, o Iraque e a prisão de Guantánamo.
Quase em uníssono a imprensa também divulgou mensagens não verificadas de Twitter falando sobre 6.000 mortos, ainda que logo depois se descobriu que foram pouco mais de 200 os mortos.
Já então havia sido posta em marcha, como uma corrida contra o relógio, a estrutura de assédio econômico, diplomático, militar, midiático e psicológico contra a Líbia.
Sem informe nem investigação oficial do Secretário Geral ao Conselho de Segurança acerca do ocorrido na Líbia, a ONU legitimou o uso da força e todas as medidas necessárias contra a Líbia para supostamente "proteger os civis".
A espanhola Leonor Masanet, psicóloga de profissão e blogueira por paixão, conhece a Líbia e sua cultura como a palma da sua mão. Foi uma testemunha excepcional do bombardeamento de Trípoli pela OTAN e sob o estrondo dos mísseis confiava na qualidade negociadora dos líbios para encontrar uma saída pacífica. "São muito árabes nesse sentido e estou segura de que nunca teriam chegado aos enfrentamentos de armas, se não tivesse uma influência externa que alimentou, que armou e que provocou a partir do exterior o que está acontecendo", disse Leonor.
A verdade é que em 19 de março começou a operação militar para supostamente proteger os civis na Líbia. Depois de mais de 26.328 incursões aéreas da OTAN, das quais 9.658 foram ataques com bombas e mísseis, o Ministério da Saúde líbio calculava em cerca de 30.000 civis mortos por essas ações. Outras fontes elevam o número de mortos a 100.000.
Mas quatro meses depois de oficialmente declarado o fim da guerra na Líbia, os civis continuam em risco.
De acordo com o próprio chefe do CNT, Mustafa Abdeljalil, seu país ruma para uma guerra civil se não for alcançado logo o desarmamento dos homens que apoiaram a OTAN para derrubar Qaddafi, e que agora se enfrentam entre sí, buscando partes de poder e influência no novo governo.
Ante tal situação, o secretário geral da ONU, Ban Ki-moon solicita agora "a todos os líbios para se juntarem num espírito de reconciliação, para mostrarem que uma revolução feita em nome dos Direitos Humanos não pode ser manchada pela violência, mas deve levar à justiça e a um Estado de Direito."
Mas o caos é tal que se torna incômodo não vê-lo para as organizações internacionais como a Human Rights Watch, Médicos Sem Fronteiras, a Anistia Internacional (AI) ou o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV).
Esta semana, por exemplo, a Anistia Internacional, no relatório "As milícias ameaçam a esperança por uma nova Líbia", denuncia os "graves abusos" e "crimes de guerra cometidos por estas milícias, contra presumidos partidários de Muammar Qaddafi".
Depois de visitar, de janeiro a início de fevereiro, onze centros de detenção controlados pelos rebeldes ou "revolucionários" no centro e no oeste da Líbia, em 10 deles a Anistia Internacional constatou que os detentos foram “torturados ou maltratados”. Muitos confessaram crimes de estupro ou assassinato que nunca cometeram, “apenas para por fim à tortura que sofriam."
Uma conselheira especial da Anistia Internacional, Donatella Rovera, também revelou que "havia pessoas detidas ilegalmente e torturadas, às vezes até à morte." E disse mais: "A maioria das milícias na Líbia está fora de controle e a impunidade generalizada de que gozam estimula a violência e perpetua a instabilidade e a insegurança no país."
Por sua parte, o Comitê Internacional da Cruz Vermelha (CICV) disse por estes dias que mais de 8.500 pessoas continuam encarceiradas sem acusações formais e que milhares de dispositivos (minas) sem explodir permanecem no solo de diferentes regiões do país, como “uma ameaça para os civis que tentam recuperar suas vidas".
Enquanto isso, continuam os confrontos entre grupos tribais e entre os ex-rebeldes e supostos simpatizantes do antigo regime. Somente durante a última semana cerca de 30 pessoas perderam a vida nos combates entre milícias das tribos dos Tubus e dos Zuwaya na cidade de Jufra, no Sul da Líbia.
A guerra parece não haver terminado.